Segurança digital: veja como a abordagem Privacy by Design pode ajudar

A GDPR (Regulamentação Geral de Proteção de Dados) causou alvoroço nas empresas, que atuam na União Europeia, pela necessidade de adaptar a sua segurança digital. Assim como a legislação europeia, a LGPD (Lei Geral de Proteção de dados) já começou a provocar a mesma correria nas organizações brasileiras.

A nova Lei de Proteção de Dados entra em vigor a partir de agosto de 2020. Sua principal meta é garantir a segurança digital dos dados pessoais de clientes, colaboradores, fornecedores, entre outros, e manter a privacidade das informações.

Leia também7 passos para evitar vazamento de dados na sua empresa

Mudanças causadas pela lei de proteção de dados

Os impactos da legislação são grandes e exigem até a contratação de um profissional específico para tratar de cibersegurança. Além disso, a lei inclui regras mais rígidas para coleta, armazenamento e compartilhamento de dados.

A nova LGPD possui também aplicação extraterritorial. Isso faz com que as empresas que usam dados de brasileiros, sejam elas nacionais ou internacionais, tenham de cumprir as regras.

Com abrangência em todos os setores da economia, a lei de proteção de dados afetará principalmente o varejo. Uma vez que o segmento lida com uma enorme quantidade de dados. Então, com a norma, será necessária uma política clara de uso de dados pessoais e o consentimento do usuário para a coleta de suas informações.

Caso desejarem, os usuários podem pedir a retificação, cancelamento e até a exclusão da utilização dos seus dados. Tudo isso com o intuito de manter a segurança digital das informações, responsabilizando as empresas que recolhem dados em caso de ataques, vazamentos e violações.

Leia também6 desafios provocados pela LGPD

Estratégias para proteger dados e melhorar a segurança digital

Outra novidade da lei será a criação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados. Com isso, a organização vai fiscalizar os incidentes envolvendo informações protegidas e as empresas que descumprirem as regras podem sofrer severas multas.

Devido a estes desafios e novidades, as companhias correm atrás para ficar em conformidade com as novas regras e exigências. Para isso, é importante encontrar métodos que ajudem neste processo de adaptação. Dentro dessa gama de estratégias, está o Privacy by Design. Você já conhece?

Continue a leitura e descubra como o Privacy by Design pode ajudar o seu negócio.

Leia também: Cibersegurança no varejo: como proteger os dados dos clientes

O que é o Privacy by Design?

Usar este método para segurança digital se aplica, basicamente, em proteger os dados nas atividades de processamento e práticas de negócio. Ou seja, é possível garantir antecipadamente a proteção e privacidade de todas as informações utilizadas pela corporação, desde a coleta até o descarte.

No Privacy by Design, o setor de desenvolvimento de produtos e serviços deve cuidar das seguintes questões quanto à segurança digital:

  1. Origem dos dados coletados e tratados;
  2. Consentimento do titular para o uso de seus dados;
  3. Uso e compartilhamento de dados com transparência. Logo, o cliente deve estar ciente de suas informações e como estão sendo tratadas;
  4. Campanhas de Marketing personalizadas;
  5. Controle de acesso sobre os dados;
  6. Rastreamento do uso das informações;
  7. Proteção contra vazamentos, adulteração ou divulgação não autorizada de informações.

Como o Privacy by Design reforça a segurança digital?

Desta maneira, a estratégia ajuda a promover a cibersegurança e melhora a segurança digital com os seguintes princípios:

  • Trabalhar sempre no Preventivo, nunca no Reativo;
  • Privacidade é configuração padrão para qualquer produto/serviço entregue;
  • Privacidade deve ser incorporada ao modelo de negócio, arquitetura de sistemas, aplicações e banco de dados;
  • Funcionalidade total: o negócio deve estar sempre balanceado e atualizado com os requisitos para segurança de dados;
  • Visibilidade e transparência: o cliente sempre com visão clara sobre como seus dados estão sendo tratados;
  • Foco no usuário: desta forma, o usuário possui o conforto de saber que a empresa zela por suas informações.

Na teoria, sempre nos parece muito prático. Mas, para implementar o Privacy by Design, não basta somente ler sobre o assunto e tentar aplicar por conta própria. Por abranger todo o ciclo de vida das informações, é indispensável que todas as pessoas que tratam ou acessam os dados entendam a importância da segurança digital.

Como o seguro cibernético pode ajudar a sua empresa

Apesar de toda a estratégia para se adequar à LGPD, a sua empresa ainda pode sofrer com ataques, violações e vazamentos, reclamações de usuários e não conformidade com algum requisito da lei. Por isso, para evitar as multas pesadas impostas pela legislação, é importante investir em um seguro cibernético.

O seguro oferecido pela Fontana Corretora de Seguros vai proteger sua organização financeiramente em todos os casos de problemas com a segurança digital dos usuários. Garanta a proteção da sua empresa contra:

  • Defesa jurídica em casos de reclamações de terceiros
  • Multas resultantes da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD)
  • Violação da privacidade de dados pessoais ou corporativas
  • Omissão que resulte em contaminação de informações
  • Interrupção de rede por conta de falha na segurança de dados
  • Extorsão e pedidos de resgate devido a ameaças de segurança

Além disso, conte com o Programa de Conscientização em Cybersecurity para educar seus funcionários com boas práticas e hábitos saudáveis para  melhorar o tratamento de dados e a segurança digital.

Acesse nosso site agora e conheça o seguro cibernético da Fontana Corretora de Seguros!

Confira nosso Mapeamento de Riscos em Cybersecurity, com tudo que você precisa saber sobre LGPD e GDPR.